domingo, 7 de novembro de 2010

Blog com novo endereço!

Com novo layout o blog Em cima da notícia toma status de site, e pode ser acessado pelo endereço: www.luiscarlosgusmao.com  






terça-feira, 31 de agosto de 2010

Lula para Hélio Costa: "Eu avisei, agora não reclama"

Após resultado das últimas pesquisas, Hélio ligou para Lula pedindo socorro. Lula prometeu ajudar. Lembrando, porém, advertência feita

Durante quase um mês, Lula teria avisado ao atual candidato Hélio Costa (PMDB) para que não insistisse com sua candidatura ao governo de Minas passando por cima da vontade e decisão do PT mineiro.
O partido acabara de sair de uma sofrida disputa interna através de uma prévia entre duas de suas principais lideranças: Patrus Ananias e Fernando Pimentel.
A prévia realizada apontara como candidato ao governo de Minas pelo PT, Fernando Pimentel, embora ainda existam dúvidas a respeito das apurações.
Dois anos antes, o PT de Belo Horizonte saíra desgastado na eleição de Márcio Lacerda (PSB) para Prefeitura. Lacerda, nesta eleição para governador, apóia o candidato do PSDB e, para senador, Pimentel.
Hélio Costa, mesmo diante do aviso de Lula, insistiu, colocando em risco a possibilidade de aliança nacional entre PT e PMDB. Lula não teve outra alternativa a não ser insistir pessoalmente com Pimentel e Patrus para que fossem para o sacrifício, no que foi atendido.
Porém, tanto Patrus quanto Pimentel teriam sido sinceros com Lula ao informá-lo que dificilmente a militância do partido acompanharia a decisão.
Lula teria, na ocasião, indagado Hélio Costa se ele teria recursos para bancar uma campanha majoritária em um Estado do tamanho de Minas.
Testemunha do encontro afirma que a resposta teria sido dada não por Hélio e sim por Clésio Andrade, presidente da CNT: "Deixa comigo chefe". Evidente que tanto Lula como Hélio Costa não conheciam a maneira de "operar" de Clésio Andrade.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Fabiany Ferraz é eleita prefeita de Almenara

Em Almenara, venceu o pleito a candidata Fabiany Ferraz Figueiredo (PDT), com Wilmar Guimarães de Matos como vice (DEM), da coligação "O Progresso faz a diferença". Eles conseguiram 10.998 votos (58,85%). Em segundo lugar, ficou a candidata Gercira Gomes Cardoso (PMDB), da Coligação “A Força do Povo”, com 7.188 votos (38,47%). De acordo com a Polícia Militar, foram registrados 28 boletins de ocorrência referentes a crimes eleitorais, dentre eles, manifestação publicitária, boca de urna, venda de bebida alcóolica, panfletagem e compra de votos.
O comparecimento às urnas em Almenara foi de 19.749 eleitores (71,52%). Foram 244 (1,24%) votos brancos e 818 (4,14%) nulos. A abstenção foi de 28,48% (7.863 ausências).

Em Junho de 2009, Fabiany Ferraz Gil Figueiredo, que era presidente da Câmara de Almenara, foi nomeada pelo juiz eleitoral Christyano Lucas Generoso, como prefeita interina. Ela assumiu o cargo no lugar do prefeito reeleito e cassado, Carlos Luiz de Novais (PDT) e do vice, Exupério Ferreira Pires, por compra de votos.
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) cassou o mandato de Carlos Luiz de Novais e do vice, Exupério Ferreira Pires no dia 30 de junho (terça-feira) do ano passado, após a justiça comprovar que o prefeito teria ligação realizado várias ligações da rede de abastecimento de água em várias casas em troca de votos.

Robson Gomes derrota Cecília e é eleito prefeito de Ipatinga

Robson Gomes (PPS) é o prefeito eleito de Ipatinga. Ele obteve 74.809 votos (57,78%) e derrotou a candidata petista, Cecília Ferramenta, com 51.955 votos (40,13%). Ilton Câmara (PRTB) foi votado por 2.09% dos eleitores. O índice de abstenção foi de 19,13%. O resultado confirma os números da pesquisa DataTempo/CP2, divulgada anteontem. O levantamento espontâneo apontou para a vitória do candidato do PPS com 17 pontos percentuais de frente em relação à petista.
A eleição de Robson, que já exerceu o cargo interinamente em função de ser o presidente da Câmara de Vereadores no momento dos impedimentos dos primeiro e segundo colocados na eleição de 2008, encerra um período de revezamento entre administrações do PT e do PMDB de 20 anos.
"O resultado nas urnas refletiu a aprovação de meu governo pela população de Ipatinga", afirmou Robson depois de confirmada a vitória. Ele ainda fez questão de agradecer a seus eleitores.
A eleição transcorreu em clima tranquilo e sem ocorrências graves. Pela manhã, durante a votação, os dois pré-candidatos se mostraram otimistas em relação à vitória. Robson Gomes votou no colégio Amaro Lanari. Demonstrando confiança, ele posou para fotos como vitorioso. "Trabalhamos muito visitando rua por rua. O calor humano nos faz acreditar que vamos fechar essa caminhada com chave de ouro, com a vitória".
Já Cecília Ferramenta votou em um colégio no bairro Cidade Nobre. "Falta muita gente para votar ainda. Que todos venham exercer a sua cidadania e escolham o melhor projeto para a cidade que é o do PT", disse
Um incidente marcou o dia dos candidatos. Cecília Ferramenta (PT) foi ao local onde Robson Gomes iria votar e no horário previsto para a chegada de seu adversário. Os dois quase chegaram a se esbarrar no portão do colégio. Quando percebeu a movimentação dos petistas, Robson foi embora e retornou uma hora depois.
Arma. No momento da votação de Robson Gomes, militantes petistas informaram que o deputado federal e delegado de polícia licenciado Alexandre Silveira, principal cabo eleitoral do candidato do PPS, estava armado. "É uma forma clara de intimidação. Ele tem que resolver se é deputado ou delegado. Eu não vi, os assessores é que viram. Se tivesse visto, daria voz de prisão para ele", disse o deputado estadual Durval Ângelo (PT).
Alexandre Silveira minimizou. Sou delegado de polícia e tenho porte livre de arma, que inclusive fica em meu veículo. Tenho direito de usá-la no lugar onde eu for. Não entrei no local de votação com a arma. Isso é uma tentativa de criar um fato novo", disse.
Fonte: O Tempo 

quarta-feira, 26 de maio de 2010

STJ mantém decisão de proibir a BHTrans de multar em BH

A segunda turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve na noite de ontem (terça-feira - 25) decisão tomada em novembro do ano passado de proibir a BHTrans de multar no trânsito da capital.
Com a decisão dos ministros do STJ, a Prefeitura de Belo Horizonte pretende recorrer ao Supremo Tribunal Federal nos próximos dias para garantir o poder de polícia aos agentes da BHTrans.
Representantes da Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) estão reunidos na manhã desta quarta-feira (26) para avaliarem se vão recorrer da decisão do STJ.

Histórico

No dia 10 de novembro de 2009, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça decidiu, por unanimidade, que a BHTrans não teria poder para aplicar multas de trânsito na capital mineira. A Turma deu provimento ao recurso especial do Ministério Público de Minas Gerais.
Desde a data, os agentes podem apenas fiscalizar o trânsito, e as infrações ficam somente a cargo do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar e da Guarda Municipaol. Segundo os ministros, por ser uma empresa de capital misto, que visa lucros, a BHTrans não pode ter poder de polícia. As informações são do site do STJ e jornal O TEMPO.

Professores aprovam fim da greve e aulas voltam amanhã

Retorno ao trabalho acontece sem a principal exigência: reajuste de salários. Decisão é temporária e depende de comissão

Depois de 47 dias de greve, muitas idas e vindas na negociação com o governo e sem reajuste, os professores da rede estadual de ensino de Minas decidiram, ontem (25) à tarde, retornar às salas de aula. A decisão, que foi tomada em uma assembleia que contou com a participação de 8.000 pessoas, segundo a Polícia Militar, ainda não é definitiva.
Na votação, os professores deixaram claro que a paralisação poderá ser retomada caso o plano de remuneração, previsto no acordo com o governo não seja cumprido. Os professores voltam ao trabalho hoje (26), mas as aulas só serão retomadas efetivamente amanhã (27). Pelo acordo, a reposição dos dias parados ficará a cargo de negociação entre as escolas e os colegiados.
A decisão sobre a retomada da greve aconteceu sob um clima tenso. Uma parcela expressiva dos professores que lotaram a praça Carlos Chagas (da Assembleia) resistiu à proposta de volta ao trabalho. Diante do impasse, a decisão precisou ser colocada em votação por duas vezes.
O acordo entre a categoria e o governo definiu também que não haverá demissões ou punição para os grevistas, como corte dos dias parados. O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) conseguiu do governo a promessa de que o pedido de execução da ação que estipulou multas à entidade pela paralisação será retirado.

Acordo com Estado gera incerteza

A greve, que começou no dia 8 de abril, não alcançou seu principal objetivo. O esperado aumento do piso salarial dos professores não foi efetivado durante as negociações com o Estado. Atualmente, R$ 935 são pagos para uma jornada de trabalho de 24 horas semanais. O reivindicado era R$ 1.312,85 para o mesmo período. As informações são do jornal O TEMPO

Azeredo articula candidatura à reeleição para o Senado

Azeredo patrocina movimento pela candidatura de Aécio como vice de Serra para que componha com Itamar a chapa de candidatos ao Senado

Imaginando-se acima do bem e do mal e ciente da existência em Minas de um esquema eleitoral corrupto onde o voto é comprado para os diversos níveis de candidatura, propiciando, por exemplo, ao candidato ao Senado conseguir eleger-se financiando diversos candidatos a deputado federal e estadual que por sua vez compram dos prefeitos e vereadores o apoio nos diversos municípios.

Evidentemente que o Ministério Público Eleitoral, assessorado pela área de inteligência da Polícia Federal, poderia acompanhar estas “negociações” e desmontá-las em menos de um mês.

Uma meia dúzia de agentes infiltrados na Assembleia Legislativa de Minas Gerais em menos de uma quinzena faria o levantamento indicando os “negociadores”.

Devido ao afrouxamento dos valores éticos, a mais alta Casa Legislativa de Minas transformou-se em um balcão de negócios, onde nomeações, obras públicas e apoios a grupos transgressores tornaram-se moeda de troca.

Porque o Ministério Público Eleitoral não promove esta fiscalização? Sinceramente não sabemos.

Há poucos dias o jornal “Estado de Minas” denunciou o funcionamento de um enorme esquema de notas frias e o Ministério Público Estadual prometeu investigar e punir os envolvidos.

Nos termos da lei orgânica do Ministério público, o primeiro passo para a realização de uma investigação é a instalação de um inquérito.

Como o caso foi de enorme repercussão, merecendo uma série de reportagens acompanhadas de provas e documentação, no mínimo o Ministério Público deveria noticiar o número do inquérito instalado, assim como a pauta das oitivas e outros procedimentos.

Algo que a mais simples delegacia de polícia do menor município consegue fazer. Ao contrário, o silêncio sobre o assunto é sepulcral. A estrutura de comunicação do Ministério Público existe e quando o caso é para denegrir a imagem de um desafeto, funciona com primazia.

Constitucionalmente o responsável pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais é seu presidente, neste caso, o deputado Alberto Pinto Coelho (PP). Indagamos à assessoria do deputado e fomos informados que ele ainda não foi ouvido.

Quando Novojornal cita como exemplo a pretensão eleitoral do senador Eduardo Azeredo, o faz por ter o mesmo comprovadamente (perante o Supremo Tribunal Federal), praticado todos os delitos anteriormente narrados.
Diga-se de passagem, as provas contra Azeredo só vieram a público, devido à tramitação de o processo ter ocorrido no STF. Em Minas, quase uma década antes, repousava nas gavetas do Ministério Público Estadual a mesma prova.

Não por ineficiência de promotores e procuradores e sim por intervenção direta do então procurador-geral de Justiça que “avocara” o processo.

Talvez seja coincidência, porém, com a aprovação do projeto “ficha limpa” no Senado, e a procura da população por informações de seus candidatos, sumiram do site do Tribunal de Justiça de Minas Gerais e da Justiça Federal em Minas a movimentação dos processos criminais envolvendo as “autoridades mineiras”.
Fonte: Novo Jornal

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Dissidentes do PV criam "Partido Livre" e vão apoiar Dilma

Em processo de legalização, o Partido Livre deve ser o vigésimo oitavo partido político brasileiro registrado junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Formado por dissidentes do PV de 15 Estados, que discordam do rumo da legenda nos últimos anos, o Livre realizou seu primeiro encontro nacional no último sábado (22) na Câmara Municipal de Belo Horizonte.
O presidente do novo partido em Minas Gerais e um dos fundadores do Livre, Carlos Magno Taborda, disse ao Terra que um dos motivos que levou o grupo, formado basicamente por jornalistas e acadêmicos, a fundar o partido é porque eles "não aceitaram o fato do PV colocar Marina Silva como pré-candidata à presidência".
O primeiro encontro nacional do Livre irá formalizar o apoio do novo partido à pré-candidata a presidência Dilma Rousseff (PT). Os militantes do Livre se encontraram com a petista, no Rio de Janeiro, e decidiram pela manifestação a favor da ex-ministra. "Entre os três pré-candidatos, acreditamos que a Dilma se identifica mais com nossas ideias", diz o líder do novo partido em Minas.
Segundo Taborda, o novo partido já somou mais de 100 mil assinaturas desde novembro de 2009. "Esperamos nos registrar no TSE em dezembro deste ano". A Executiva Nacional do Livre é formada por membros de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraíba e Espírito Santo.

Tucanos criaram em Minas governo de falsos resultados

RODRIGO NARCISO

Doutor em Economia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), professor da Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, em Belo Horizonte, e coordenador do Centro de Estudos de Conjuntura do Departamento de Economia da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), o professor Fabrício Augusto de Oliveira é autor de vários livros sobre economia e finanças públicas. Em 2010, produziu o artigo “Contabilidade Criativa: como chegar ao paraíso, cometendo pecados contábeis – o caso do governo do Estado de Minas Gerais“. Este trabalho examina o significado e a prática da Contabilidade Criativa, instrumento usado por administrações públicas e privadas para maquiar e apresentar resultados mais favoráveis de seu desempenho. Nesta entrevista a Brasília Confidencial, Fabrício Oliveira identifica práticas do Governo de Minas, então sob comando de Aécio Neves (PSDB), onde essa manipulação se manifesta.

Brasília Confidencial - O que é a Contabilidade Criativa?

Fabrício de Oliveira – É um artifício contábil usado pelos administradores públicos e privados para ocultar resultados negativos de suas atividades ou para produzir melhores resultados em relação aos que foram efetivamente alcançados. Trata-se, assim, mais claramente, de uma maquiagem da realidade patrimonial de uma entidade, por meio da manipulação de dados contábeis, para apresentar uma imagem mais favorável de seu desempenho. A não ser nos casos em que essa prática contábil provoca prejuízos para investidores, acionistas ou fornecedores, ela não se configura legalmente como crime, apenas se vale de brechas, omissões e falta de melhor regulamentação das regras contábeis para produzir resultados mais favoráveis para a entidade privada ou pública. Mas, ao prejudicar a credibilidade das informações apresentadas, induzindo seus usuários a erros de avaliação, representa uma prática eticamente condenável.

BC – Os Relatórios do Tribunal de Contas de Minas Gerais constatam que, entre 2003 e 2006, os cálculos da Receita Corrente Líquida (RCL) realizados pelo governo estadual foram sempre superiores aos do Tribunal. Significa que o governo de Minas se valeu da Contabilidade Criativa para inflar sua receita e os resultados do programa “Choque de Gestão”?

Fabrício – De fato, entre 2003 e 2006, e, em menor dimensão, também em 2007, o cálculo da Receita Corrente Líquida (RCL) realizado pelo Poder Executivo de Minas Gerais foi sempre superior ao realizado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MG). Isso se explica porque o Executivo deixou, durante este período, de considerar várias deduções previstas em lei para a realização deste cálculo, incorrendo em duplicidade na contabilização de algumas de suas receitas e alargando, indevidamente, essa base. Só a partir de 2007 é que começou, efetivamente, a haver uma convergência desses valores, provavelmente devido a um acerto da metodologia entre as duas instituições. Ao inflar essa base, todos os indicadores da Lei de Responsabilidade Fiscal apresentaram resultados bem melhores do que os que vinham sendo alcançados.

BC – Ao alargar indevidamente a base da Receita Corrente Líquida, quais foram os benefícios alcançados pelo governo do Estado?

Fabrício – O conceito de Receita Corrente Líquida dos governos é usado como parâmetro para o cálculo dos principais indicadores das finanças públicas previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal, como, por exemplo, os de gastos com pessoal e de endividamento. No caso das despesas com pessoal, esse limite é de 60% para os gastos do Executivo, Legislativo, Judiciário e Ministério Público, mas o limite prudencial é de 57%. No da dívida, o limite atual é de duas vezes o valor dessa receita para o governo se considerar perfeitamente enquadrado nas normas da Lei. Quando ocorre esse enquadramento, ele passa a ter condições legais de voltar a tomar empréstimos no mercado, ou seja, de lançar mão do endividamento como forma complementar de financiamento de seus gastos. Pelos cálculos do TCE, isso só teria ocorrido a partir de 2006. Pelos do Executivo, em 2005, ano em que recebeu autorização para retornar ao mercado de crédito e para voltar a contratar dívida. Sem dúvida, um grande benefício, além do fato de que tal situação foi vendida para a população como resultado de uma administração competente no manejo e administração das contas públicas.

BC - O governo de Minas usa o critério do Resultado Orçamentário para mostrar que as contas públicas têm se apresentado superavitárias desde 2004. O senhor diz que este critério pode esconder desequilíbrios que não estão à vista. Quais são esses desequilíbrios?

Fabrício – O conceito usado pelo governo pouco nos diz sobre a situação e o desempenho das suas contas, porque ele contabiliza, do lado das receitas, as operações de crédito, que se referem a empréstimos contratados exatamente para fechar o orçamento. Assim, uma situação de superávit ou equilíbrio pode estar ocultando uma situação de desequilíbrio das contas. Em segundo lugar, os governos que renegociaram a dívida com a União, em 1998, não têm mais registrado, no orçamento, a parcela dos juros dessa dívida que não são pagos, transferindo-os diretamente para o seu estoque. Como o pagamento desses encargos está limitado em 13% de sua Líquida Real e, no caso de Minas Gerais, o estoque dessa dívida, que atualmente supera os R$ 50 bilhões, é corrigido pela variação do IGP-DI acrescentado de juros reais de 7,5% ao ano, os juros pagos, que aparecem no orçamento, têm sido sempre bem inferiores aos efetivamente devidos. Essa diferença não aparece no orçamento, sendo diretamente incorporada ao estoque da dívida. Se inscrita no orçamento, em lugar do superávit que o governo tanto alardeia na sua estratégia de marketing, apareceria um déficit, às vezes bem elevado, indicando que não foi realizado nenhum ajuste estrutural de suas contas e que, ao contrário, o passivo do governo é crescente no tempo.

BC - Quais fatores contribuíram para o aumento da Dívida Líquida Consolidada (DCL) do estado de Minas Gerais, que evoluiu de R$ 30,5 bilhões, em 2002, para R$ 52,2 bilhões em 2009?

Fabrício – Não restam dúvidas de que são os encargos da dívida do governo renegociada com a União que têm alimentado e devem continuar alimentando o crescimento de seu estoque no tempo, já que os juros que são anualmente pagos, limitados em 13% de sua receita corrente líquida, são insuficientes para cobrir os juros totais, o que termina aumentando o seu estoque. Nesse estoque não estão contabilizados muitos precatórios e outras dívidas e também outros passivos ocultos ainda não reconhecidos, o que nos permite inferir que o endividamento do governo do estado é bem maior do que os números atualmente divulgados da Dívida Líquida Consolidada. Além disso, desde 2005 o governo voltou a contratar novos empréstimos para financiar investimentos, o que deve agravar sua situação financeira nos próximos anos e aumentar o comprometimento da receita com o pagamento de seus encargos, engessando ainda mais o orçamento estadual.

BC - O Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS) diz que, ao contrário do que informa o governo de Minas, o estado destina para a saúde menos recursos do que exige a Emenda Constitucional 29, não raro figurando entre os estados que apresentam a pior performance no cumprimento desta determinação constitucional. Por que há essa discordância entre os cálculos do SIOPS e do governo do estado?

Fabrício – Isso também é verdade. Desde 2004, o governo do estado tem divulgado que os gastos que destina para a saúde têm sido superiores ao índice mínimo estabelecido pela Emenda Constitucional n. 29, que é de 12% da receita de impostos e transferências constitcionais. O SIOPS, que é um órgão do Ministério da Saúde criado para fazer o acompanhamento da implementação da Emenda 29 e verificar o seu cumprimento, não concorda com os cálculos do governo, pois considera que neste cálculo estão incluídas várias despesas que não representam gastos especificamente com as “ações e serviços de saúde”, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Resolução 322, do Conselho Nacional da Saúde, de 08/05/2003. Gastos com inativos do setor da saúde, com oferta de serviços para clientelas fechadas, com saneamento básico e mesmo com medicamentos/vacinas para animais são geralmente excluídos do cálculo deste índice pelo SIOPS. Em 2007, por exemplo, enquanto o governo do estado de Minas calculou que despendeu 13,3% de suas receitas com o setor da saúde, para o SIOPS esse percentual foi de apenas 7,09%. Em 2008, último ano de que se dispõe de cálculo deste órgão, o índice de Minas Gerais foi de apenas 8,65%. Para o governo do estado, de 12,2%. A inexistência de regulamentação dessa matéria, ainda em tramitação no Congresso Nacional, permite estes malabarismos contábeis sem nenhuma punição para o governo e ainda lhe dá argumentos para realizar propagandas sobre seu compromisso com o social, já que os números do SIOPS são desconhecidos.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Greve dos professores ganha a simpatia de pais e alunos

Ao contrário do esperado pelo governo mineiro, pais e alunos colocam-se solidários com as reivindicações dos professores
Após a tentativa sem sucesso de enfraquecimento do movimento sindical representativo da classe dos professores, o governo mineiro colhe outra derrota.
Os pais e alunos já começam a dar sinais de solidariedade com os professores sinalizando com a possibilidade de participar das manifestações da classe.
Depois de comprovado que, em 2008, a própria secretária de Educação, Vanessa Guimarães, garantiu a aplicação do piso nacional como vencimento básico a partir de 2010, o governo mudou seu discurso passando a argumentar que por ser período eleitoral, não poderia conceder aumento.
Novamente, sua argumentação foi desmontada diante da constatação de que não se trata de conceder um aumento e sim cumprir uma lei, desta forma seria um absurdo argumentar que a lei eleitoral impede o cumprimento de outra lei.
“Na verdade os negociadores esgotaram sua credibilidade na mesa de negociação e agora tentam dividir a categoria”. Afirmou uma mãe de aluno que participou nesta quinta-feira (20) das manifestações.
“O governo estadual parece não estar avaliando corretamente o movimento grevista, ou está apostando no confronto”, informou um líder sindical.
“Em qualquer negociação, o principal é a confiança e credibilidade entre as partes e, nesse caso, o governo já perdeu os dois”, concluiu.

PF indicia irmãos Perrella, dirigentes da Raposa por enriquecimento ilícito.

Dirigentes do Cruzeiro estão sendo investigados por crime contra o sistema financeiro nacional
Segundo o diário Estado de Minas de ontem (quinta-feira 20-05-2010), o deputado Zezé Perrella e seu irmão Alvimar Perrella, dirigentes do Cruzeiro, foram indiciados por crime contra o sistema financeiro nacional em um inquérito aberto pela Polícia Federal para investigar denúncia de enriquecimento ilícito.
Eles são acusados de lavagem de dinheiro e evasão de divisas na venda para o exterior do zagueiro Luisão, vista como uma negociação de fachada com um clube do Uruguai, em 2003. Na ocasião, a negociação envolveu US$ 2,5 milhões, com sua venda para o Central Espanhol Futebol Clube, de Montevidéu, ligado ao empresário Juan Figer. Entretanto, apenas três dias depois, ele foi revendido para o Benfica, de Portugal, por US$ 1.597.791,61 - US$ 1 milhão a menos que o divulgado.
Esta diferença é vista pela PF como uma ponte comercial para ocultar recursos não declarados ao fisco, já que, os valores ocultados teriam voltado de maneira ilegal para o Brasil, sendo pulverizados na contabilidade de empresas supostamente controladas pelos dirigentes cruzeirenses.
Além desta negociação, a venda do volante Ramires ao Benfica por 7,5 milhões de euros, também está sendo investigada, uma vez que o mesmo recurso da passagem-relâmpago pelo Central Espanhol teria sido utilizado.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Hélio Costa "caiu na real"

Finalmente o candidato do PMDB, Hélio Costa, entendeu o quanto sua candidatura é frágil na base do governo Lula em Minas

Depois da gigantesca demonstração de força junto à direção nacional do PT, que praticamente impôs a união em torno de sua candidatura ao Governo de Minas, o ex- ministro Hélio Costa viu minguar sua aceitação junto à base do Partido dos Trabalhadores em Minas Gerais.
O boicote à chamada “reunião de Juiz de Fora”, ocorrido no último fim de semana, foi a maneira simbólica do grupo liderado por Fernando Pimentel demonstrar seu inconformismo com a possibilidade de apresentar um vice na chapa de Hélio Costa.

O grupo pretende ter uma candidatura própria ao Governo do Estado.

Se o boicote à “reunião de Juiz de Fora” ocorresse através do grupo de Patrus, poder-se-ia entender que Dilma não tinha conhecimento. Porém, Fernando Pimentel compõe a equipe da campanha de Dilma, desta forma ela sabe o que está ocorrendo.
Integrantes do partido chegam a afirmar que Pimentel não faria nada sem antes consultar a candidata Dilma.
Esta indecisão do PT é vista por alguns petistas históricos como uma cautela. Para estes, o ex-governador Aécio Neves ainda não colocou todas as cartas na mesa. E, no início de junho, poderão ocorrer novidades em relação ao PSDB.
A proximidade da candidatura de Hélio Costa com o PSDB mineiro também vem causando insatisfação junto à militância petista.
Acertar com a direção pelo visto tem sido coisa fácil para Hélio Costa. Já convencer a militância, vem demonstrando não ser tão fácil.
Agora é esperar o início de junho.
Fonte: Novo Jornal

domingo, 16 de maio de 2010

Petistas criticam falta de Pimentel a encontro da base

A ausência do pré-candidato do PT ao governo de Minas, Fernando Pimentel, no evento da base do presidente Lula em Juiz de Fora, nesse sábado, causou reações diferentes em petistas e aliados. Neste domingo, durante ato de lançamento da pré-candidatura do ex-deputado Rogério Correia à Assembleia, petistas ligados ao ex-ministro Patrus Ananias criticaram a ausência de Pimentel.

“O Fernando (Pimentel) deve priorizar sim as demandas de Minas como vencedor das prévias, até para que o nome do PT se fortaleça frente aos outros partidos. A não ida dele enfraquece essa ideia de que o PT possa encabeçar a chapa. Espero que nos próximos (encontros)ele compareça, e a militância do PT possa ter certeza que vamos priorizar de fato o governo do Estado”, avaliou Correia.

Já o líder da oposição na Assembleia, o deputado Padre João, minimizou a ausência e disse que a ausência foi um “imprevisto”. “O Pimentel está também na coordenação da campanha da Dilma, com muito trabalho”, alegou.

A deputada federal Jô Moraes (PCdoB), que também foi ao encontro, avaliou a ausência como um erro de estratégia de Pimentel. “Pode ter sido uma leitura dele de que, como não está estabelecido o processo objetivo de quem será o candidato, talvez seja melhor ele não ter ido. Acho que uma leitura imprecisa. O palanque que se constituiu em Juiz de Fora foi um palanque com uma dimensão e uma densidade política forte”, analisou Jô. O ex-ministro Patrus Ananias disse que seria uma "temeridade" da parte dele se comentasse a ausência, que ficou sabendo ao folhear os jornais.

sábado, 15 de maio de 2010

Militância do PT não vai a primeiro encontro com Hélio Costa

PAULO PEIXOTO
da Agência Folha, em Belo Horizonte

No primeiro deslocamento da Caravana por Minas --ação idealizada para fortalecer o palanque único da presidenciável Dilma Rousseff (PT) em Minas Gerais--, realizado hoje em Juiz de Fora, a militância do PT municipal e de cidades da Zona da Mata não compareceu ao encontro regional com o PMDB do senador Hélio Costa, pré-candidato ao governo de Minas.

Faltou até mesmo o ex-prefeito petista Fernando Pimentel, cuja ausência foi justificada com um chamado de Brasília em cima da hora.

A ideia da Caravana por Minas é fortalecer pelo Estado a aliança que sustentará o palanque único de Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência, no segundo colégio eleitoral do país, com 14,2 milhões de eleitores.

A preocupação principal está sendo quebrar a resistência dos petistas a Costa, que lidera as pesquisas de intenção de votos e é o preferido do presidente Lula para concorrer ao governo de Minas, devendo Pimentel disputar o Senado.

No evento ocorrido em um ginásio esportivo da cidade, encerrado no começo da tarde, Pimentel estava sendo esperado até que, do palanque, foi anunciado que ele estava em Brasília cuidando da campanha de Dilma, da qual é um dos principais coordenadores.

Os petistas no palanque eram apenas quatro líderes do PT local e os deputados federais Miguel Correa Jr. e Reginaldo Lopes --este presidente do PT-MG. Os dois deputados são do grupo de Pimentel dentro do PT mineiro.

Ninguém do grupo de interlocução do ex-ministro petista Patrus Ananias --nem ele próprio-- compareceu. Integram a caravana líderes políticos do PMDB, PT, PC do B, PR e PRB. No começo de junho o nome de Costa deve ser confirmado por esses partidos como o candidato único da aliança pró-Dilma.

Para tentar tirar a militância do PT de casa e envolvê-la na sua campanha, Costa começou a fazer críticas públicas à gestão do PSDB no Estado, que teve início com Aécio Neves --que concorrerá ao Senado-- e continua desde março último com o governador Antonio Anastasia, que tentará a reeleição.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Situação da Unimontes é debatida em audiência pública na ALMG

A pedido do deputado Padre João (PT) — líder do bloco PT/PMDB/PCdoB na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG) —, a Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia e Informática desta Casa realizará amanhã, quarta-feira, dia 12, às 10h, uma audiência pública para debater os desafios colocados para a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).
O intuito é discutir meios de busca de soluções para que a Unimontes obtenha mais recursos orçamentários e tenha plena autonomia universitária.
Com mais de 50 cursos de graduação, a qualidade da Universidade é amplamente reconhecida pelo MEC. Porém, as dificuldades de financiamento afetam diretamente a infraestrutura dos cursos, as condições de trabalho e, principalmente, os salários dos professores e demais servidores públicos. São estes que trabalham permanentemente e com esforço para a construção de uma universidade pública, gratuita e de qualidade, que atenda o Norte de Minas e seja uma referência em ensino, pesquisa e extensão
Minas Gerais é, hoje, o Estado da federação que gasta menos com ensino superior. E um eficaz sistema de educação superior é fundamental para alcançarmos o desenvolvimento social e econômico, reduzindo as desigualdades, ampliando o conhecimento e gerando inovações tecnológicas.
Foram convidados para a reunião representantes da Secretaria de Planejamento e Gestão (SEPLAG); Secretaria de Ciência e Tecnologia; Associação dos Docentes da Unimontes (Adunimontes); DCE Unimontes; Sindicato dos Servidores da Unimontes e Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

Data: 12 de maio de 2010 (Quarta-feira)
Horário: 10h
Local: Auditório da ALMG (Rua Rodrigues Caldas, 30 – Santo Agostinho – BH/MG)
Mais informações com Mariana Starling nos (31) 2108.5415 / 8881.4601

quinta-feira, 6 de maio de 2010

O PT DEVE EXPLICAÇÕES

* Por Geraldo Elísio

“Há três espécies de cérebros: uns entendem por si próprios; os outros discernem o que os primeiros entendem; e os terceiros não entendem nem por si próprios nem pelos outros; os primeiros são excelentíssimos; os segundos excelentes; e os terceiros totalmente inúteis”. - Maquiavel
O PT de Minas Gerais deve uma explicação ao povo do Estado. Fonte segura do partido, cujo nome pediu para ser mantido em sigilo, deu uma informação preciosa a este repórter. Somente foram apurados 64% dos votos das últimas prévias envolvendo o ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, e o ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, para saber qual dos dois enfrentará o candidato patrocinado pelo ex-governador Aécio Neves, até o momento o atual governador Antonio Anastasia. Até aí nada de mais. O próprio site do PT discretamente informa isto.
Quer dizer, 34% dos votos não foram apurados e se fossem dariam a vitória ao ex-ministro Patrus, não ao ex-prefeito de Beagá, Fernando Pimentel. Aí a informação começa a ganhar relevância.
A fonte acrescentou que o grupo do ex-ministro Patrus Ananias, diante de “informações preocupantes” realizou uma “apuração paralela”, e citou dois exemplos: “Em Buritizeiro, região norte de Minas, Patrus obteve 61 votos e Fernando Pimentel, 1 voto. Em Varzelândia, também no Norte do Estado, Patrus atingiu a marca dos 44 votos, contra apenas 4 de Pimentel. Estes votos não foram apurados e sequer computados. A vitória de Pimentel foi por uma margem de apenas 2%”.
A mesma fonte garante que “houve um acordo entre Pimentel e Patrus no sentido de que os votos que não chegassem a Belo Horizonte até as 14 horas do dia das prévias não seriam contabilizados”. Ora, todo mundo sabe o tamanho de Minas Gerais, sabe que as distâncias são tão grandes que este propósito resultaria no que resultou.
Por quê? Quais interesses estão por trás deste jogo político que segundo a fonte “configura um desrespeito àqueles que saíram de suas casas para votar”.
Seria esta “uma saída honrosa” para Fernando Pimentel, um dos três coordenadores da campanha da ministra Dilma Rousseff, indicado por ela própria? Os outros dois são José Eduardo Dutra, indicado pelo partido, e Antônio Palocci, indicação pessoal do próprio presidente Lula. Ou teria o Palácio do Planalto percebido uma situação desfavorável à Dilma em Minas e, na ânsia de se aliar ao PMDB de Hélio Costa, patrocinado este jogo? Teria sido emanada de Brasília uma ordem para Patrus não vencer?
Não sei. Em política tudo é possível, até mesmo o nada. Mas que o PT, principalmente o de Minas, deve uma explicação deve. Principalmente porque outras fontes já começam a vazar que “Fernando Pimentel está intimidado com medo de perder as eleições e prefere o Senado ou um futuro Ministério incerto se Dilma vencer o pleito, derrotando José Serra, o que abriria outras sendas para o ex-ministro Patrus Ananias.

O que aconteceu

A mesma fonte que gerou a notícia acima comentou que por ocasião da indicação de Márcio Lacerda como candidato a prefeito de Belo Horizonte, ele foi denunciado pela ex-reitora da UFMG, Ana Lúcia Gazolla, como tendo sido filiado com apenas sete meses de ficha de inscrição ao seu partido. “O que isto resultou?” Nada sei. Com a palavra o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais.
Este espaço é permanentemente aberto ao democrático direito de resposta a todas as pessoas e instituições aqui citadas.
Geraldo Elísio escreve no "Novojornal". Prêmio Esso Regional de jornalismo, passado e presente embasam as suas análises Novo Jornal

terça-feira, 4 de maio de 2010

MP vai denunciar deputados

O procurador-geral de justiça de Minas Gerais, Alceu José Torres Marques, informou que apresentará denúncia de crime de peculato contra os deputados que apresentaram notas frias para justificar despesas com verba indenizatória da Assembléia Legislativa de Minas Gerais ( ALMG ). Com pena prevista entre 2 e 12 anos de prisão, o peculato é o crime cometido por funcionário que desvia dinheiro público para o proveito próprio. O procurador instaurou na última semana procedimento para investigar irregularidades e abusos cometidos pelos parlamentares com o adicional mensal e prometeu divulgar as primeiras conclusões em 60 dias. Os envolvidos serão pressionados a devolver os recursos usados de forma irregular.

O processo foi motivado pela série de matérias Notas Frias S/A, do Jornal Estado de Minas de Belo Horizonte, que vem denunciando o uso da verba indenizatória para pagamento a empresas que só existem no papel ou que já fecharam, restituição por despesas pessoais de parlamentares, emissão de notas fiscais fictícias ou com valores mais altos que os cobrados pelos serviços prestados, entre outros abusos. Única autoridade do Ministério Público com a prerrogativa de investigar a presidência dos três poderes em Minas (neste caso, os gastos com verba indenizatória foram autorizados pela direção da ALMG), inclusive com a anuência do Presidente Deputado Alberto Pinto Coelho, que tem interesse em ser candidato como vice-governador na chapa de Antonio Anastásia nas próximas eleições. Marques cogita pedir a ajuda de promotores e da Polícia Civil para garantir celeridade à investigação. O procurador defende uma investigação que preserve as instituições e não exponha indevidamente parlamentares às vésperas do período eleitoral.

Anastasia manda polícia bater em professores

Assim não é não é mais possível. Por onde José Serra (PSDB/SP) e Anastasia (o "poste" de Aécio) passam, a polícia bate em professores. Foi assim em Uberlândia, e se repetiu em Uberaba.
Pelo menos um professor da rede estadual foi ferido na abertura oficial da ExpoZebu, feira pecuária promovida em Uberaba (MG), nesta segunda-feira (3).
Os professores mineiros estão em greve desde o dia 8 passado, pelo reajuste do piso salarial, e foram se manifestar pacificamente, em local público, como garante a constituição, contra o patrão: o governador demo-tucano Anastasia.
A tropa de choque da Polícia Militar (PM) agrediu um dos manifestantes, enquanto vaiava os pronunciamentos de políticos ligados ao governo estadual, entre eles José Serra.
Anastasia foi o mais vaiado, que parecia não se preocupar com a confusão, segundo a  "Agência Estado" . 

Desde quando polícia pode proibir o uso de camiseta vermelha?

Para entender o quanto os governos demo-tucanos estão fascistas, a Agência Estado flagrou um policial militar criando caso ao insistir que um dos visitantes retirasse uma camiseta vermelha que usava por debaixo de uma camisa.

Homenagem a um assassino, mais uma do tucano Eduardo Azeredo

Felizmente Minas Gerais em pouco tempo ficará livre da vergonha de ter Eduardo Azeredo como um dos seus senadores. Sem as mínimas chances de reeleição, talvez ele dispute uma vaga de deputado federal.

Pai do mensalão e do AI5 digital ataca novamente

A última proeza do tucano que inventou o mensalão foi homenagear com a Medalha da Inconfidência, a maior honraria de Minas Gerais, o médico Ademar Pessoa Cardoso, condenado pela Justiça a 12 anos de prisão como assassino de cinco pessoas.
Depois da denúncia circular na Internet, a entrega de tal medalha foi revogada na própria quarta-feira (21) em que seria feita a entrega. Ademar Pessoa Cardoso foi condenado, em 2005, por ter participado de um "pega" que resultou nas mortes de cinco pessoas de uma mesma família. O acidente aconteceu na MG-126, estrada que liga Mar de Espanha a Bicas, na Zona da Mata mineira. O médico foi solto por um habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (concedido adivinhe por quem, claro, pelo Gilmar Dantas).
A revogação da medalha foi a primeira em 58 anos de história da honraria e obrigou o Governo a editar no feriado do 21 uma edição especial do Diário Oficial. Criada em 1952, a Medalha da Inconfidência é considerada a maior comenda do governo de Minas Gerais e pretende ser uma homenagem concedida apenas a pessoas que contribuiram para o prestígio e projeção do Estado.
O mandato do senador Azeredo se defendeu dizendo que a indicação foi por sugestão de lideranças da Zona da Mata. Porém, mais que descuido, está por trás da proposta uma tática dos advogados do médico assassino no seu processo de defesa. Uma honraria como esta serviria para mostrar bons antecedentes e o prestígio de um assassino que luta para não ir para a cadeia.

AI-5 Digital

Eduardo Azeredo é das figuras mais desprezíveis da história política mineira. Só alcançou os postos que ocupou e ocupa por ser carregado por algum outro político. Primeiro, faz parte de uma aristocracia, é filho do ex-deputado Renato Azeredo. Assumiu a prefeitura de BH depois que o titular Pimenta da Veiga deixou o posto para ser candidato ao governo. Depois, foi carregado ao posto de governador pela raposa Hélio Garcia, que queria derrotar o adversário Hélio Costa.
Por último, foi carregado por Aécio ao posto de senador em 2002, cargo que se despede agora.
No Senado, o projeto mais famoso, e um dos únicos de Azeredo, foi o AI-5 Digital, que tenta censurar e criminalizar os usuários da Internet, o que desencadeou uma revolta virtual que se materializou em atos massivos no Brasil inteiro. `A frente da Comissão de Relações Exteriores, que preside, o tucano tem sido um duro crítico da política externa soberana do governo Lula.

Inventor do Mensalão

Apesar desta “farta” biografia, Eduardo Azeredo, ficará para a histórica mesmo é como o político que inventou o esquema de corrupção conhecido como Mensalão. Por isso, foi classificado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa como “chefe de uma quadrilha”. Em um detalhado relatório, Barbosa destrinchou como Azeredo, então candidato a reeleição ao governo de Minas, desviou dinheiro de estatais mineiras e através de falsos empréstimos feitos por Marcos Valério repassou para políticos, inclusive ao ex-governador Aécio Neves.

Kerison Lopes - Portal Vermelho

sexta-feira, 30 de abril de 2010

O óbvio: Anastasia não retalhará PSDB da Dilmasia

Governador afirma que no PSDB mineiro não haverá "questão fechada" em favor da candidatura de José Serra à presidência

Contradizendo o que ele e o ex-governador Aécio Neves vêm afirmando, o governador Antonio Anastasia, após evento no Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) disse que não haverá retaliação aos prefeitos aliados de seu governo que preferirem apoiar a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, em vez de José Serra (PSDB).
"A política em Minas Gerais é feita sempre com base no entendimento, do convencimento com as ideias", afirmou Anastasia. "É claro então que é difícil falar em retaliação", disse o governador, questionado sobre os prefeitos que optarem pela "Dilmasia".
Estranho é que a imprensa insiste em noticiar “o governador afirmou", em vez de “o candidato a governador afirmou", pois, em política, não existe gesto sem segunda intenção e a alternância de posição do governador demonstra claramente que Anastasia fala na condição de candidato. Pretende ter os votos do PT.
Mesmo diante da “distração” da imprensa credenciada na assessoria do governo de Minas, dessa forma autorizada a cobrir eventos oficiais, Anastasia afirmou que: “Quando a campanha começar oficialmente”, em julho, haverá um "esforço" em favor de Serra. "As lideranças políticas, bem como a população, vão ter condição de escolher."
Também causou estranheza o fato de a solenidade não ter ocorrido na Cidade Administrativa e sim no auditório do BDMG, em Belo Horizonte. Alguns dos participantes do evento afirmaram: “A Cidade Administrativa é longe demais”.
Pelo visto, a Cidade Administrativa poderá em breve sofrer da síndrome de Confins. "É muito bonita, mas é longe demais" ou, como o mineiro diz, "é fora de mão".
Fonte: Novo Jornal

Dilma cai em arapuca do Mensalão

SERIA O "LADO B" DO Novo Jornal OU, A IRONIA DO JORNALISTA TEM TUDO A VER COM O QUE O LÍNGUA PENSA A RESPEITO DE PIMENTEL, VIRGÍLIO E PATOTA?

Ao tomar conhecimento que a imprensa sabia que descera de helicóptero no museu administrado por sócio de Marcos Valério, Dilma fica irritada
O que seria apenas a gravação de cenas para um programa de televisão que será exibido no horário eleitoral gratuito do PT, no mês que vem, pode transformar-se em uma enorme crise na campanha da candidata do PT à Presidência da República, com repercussões inimagináveis.
Na terça-feira (27), a candidata ao dirigir-se a um assentamento de agricultores, denominado Pastorinhas, localizado no município de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte, utilizando um helicóptero, segundo os produtores do programa, por falta de opção, desceu no Museu Inhotim.
Ainda segundo a equipe de produção, Dilma não sabia que o museu era dirigido por um dos sócios de Marcos Valério na SMP&B, Cristiano Paz, também irmão do presidente do Museu, Bernardo Paz – empresário processado criminalmente por sonegação fiscal e participação na “Máfia do Carvão e Ferro Gusa”, considerado um dos maiores sonegadores fiscais do Estado de Minas Gerais.
O pior é que o Museu Inhotim se mantém praticamente através de um milionário e ainda inexplicado convênio celebrado com a Petrobras, estatal federal em que a candidata, além de ocupar o cargo de conselheira, praticamente indicou toda direção.
O convênio da Petrobras com o Museu Inhotim é tão suspeito que só não foi investigado na CPI das ONGs, ocorrida no Congresso Nacional, por interferência direta do Palácio do Planalto na ocasião em que a candidata Dilma era ministra da Casa Civil.
Sob o Museu pesa ainda a suspeita de suceder a SMP&B no esquema de lavagem de dinheiro público. O que até hoje nada foi provado.
Na tarde dessa terça-feira circulava na capital mineira rumor de uma possível reunião da candidata Dilma com o grupo do ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel, outro acusado de pertencer ao esquema do mensalão, conforme reportagem da revista Istoé.
Se houve esta reunião, nada foi documentado, pois com exceção do jornal Estado de Minas, que noticiou a irritação da candidata com a presença da imprensa, ninguém mais teve acesso ao museu e à candidata.
Tudo porque o diretor presidente do Estado de Minas, Álvaro Teixeira da Costa, é um dos integrantes do conselho do museu.
Talvez a candidata não tenha se aconselhado antes com o grupo do ex-ministro Patrus Ananias, pois uma de suas mais próximas companheiras políticas desligou-se há pouco tempo da fundação que dirige o Museu de Inhotim. Tudo após vir à tona o envolvimento de seu presidente, Bernardo Paz, com o esquema de sonegação fiscal e com a “Máfia do Carvão e do Gusa”.
Fonte: Língua de Trapo

terça-feira, 27 de abril de 2010

Agentes da PF paralisam atividades por dois dias em Minas

Federação Nacional dos Policiais Federais promete deixar o serviço lento em todos os postos de atendimento da capital

Os policiais federais estão de braços cruzados entre esta terça e quarta-feira (28). A decisão da Federação Nacional dos Policiais Federais promete deixar o serviço lento em todos os postos de atendimento da capital, que contarão com apenas 30% do pessoal.
Só os casos de urgência e emergência serão atendidos. Nos aeroportos da Pampulha e de Confins, será realizada uma operação padrão. Uma assembleia, marcada para hoje, definirá os rumos do movimento.
A principal reivindicação é a valorização dos agentes, que, segundo o sindicato da categoria, não recebem o mesmo tratamento e reajuste salarial que outras carreiras federais. Segundo a PF, somente dos últimos concursos, mais de 40% dos servidores do órgão pediram exoneração

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Arruda e assassino condenado iam ser orador oficial e homenageado em Minas

Arruda e assassino condenado iam ser orador oficial e homenageado em Minas

Deu em um jornal mineiro, discreto obviamente, o vexame da medalha da Inconfidência, em Ouro Preto MG (se o ocorrido fosse com um petista, imaginem o barulho):

"O cerimonial do governo estadual revogou ontem o ato que incluía o médico Ademar Pessoa Cardoso entre os homenageados com a Medalha da Inconfidência. Ademar foi condenado a 12 anos e 9 meses de prisão acusado de ter matado cinco pessoas durante um racha em abril de 1996. A indicação para o médico ganhar a honraria foi proposta pelo senador Eduardo Azeredo (PSDB), sendo aprovada posteriormente por um conselho formado por 16 pessoas. Hoje, o governo vai publicar uma nova edição do Diário Oficial, com a exclusão do nome do médico condenado por assassinato da lista de homenageados. Por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), Ademar está em liberdade desde 2006."

No ano passado, às vésperas de flagrado ganhando panetone em forma de dinheiro , J.A. Arruda foi oficializado como orador principa da cerimonia na Almg. Preso que estava, não pode comparecer.
Situações como essas são relevadas pela crítica de direita na imprensa brasileira, se os protagonistas forem demo-tucanos ou afins

Professores estaduais mantêm greve em Minas

Os professores da rede pública estadual de Minas Gerais decidiram ontem manter a greve iniciada no dia 8, porque o governador Antônio Anastasia (PSDB) não sinalizou com nenhuma proposta de reajuste salarial e se nega a alterar os valores dos pisos salariais – R$ 372,00 para o professor de nível médio e R$ 550,00 para os graduados.

NOTA SIND_UTE
Prossegue greve dos trabalhadores em educação da rede pública estadual

"Os/as trabalhadores/as em educação de Minas Gerais permanecem em greve, iniciada em 8 de abril último em todo o Estado. A decisão foi definida em assembléia da categoria, ocorrida nessa quarta-feira, 21 de abril, Dia da Inconfidência Mineira, em São João del-Rei.
A principal reivindicação dos servidores é a implementação do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN) de R$1.312,00 (valor atual). A direção do Sindicato explica que o reajuste salarial de 10% anunciado pelo ex-governador Aécio Neves não atende os profissionais da educação. Afirma que, ao contrário do que foi divulgado pelo governador, atualmente temos um teto salarial e não piso salarial, ou seja, o valor de R$935,00 corresponde ao total da remuneração. Minas Gerais tem o 8º pior salário do país.
As atividades realizadas pelo Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) acontecerem durante todo o dia. Pela manhã, no Teatro Municipal, teve reunião do Conselho Geral. Em seguida, uma comissão se reuniu com o Ministro da Educação, Fernando Haddad, na Universidade Federal de São João del-Rei. Na oportunidade, a coordenadora geral do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, denunciou que no estado o Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN) ainda não foi implementado. O Ministro se mostrou surpreso e lembrou que, em outros estados, o Piso já é realidade, a exemplo de Tocantis e Pernambuco.
Após a reunião, houve assembléia da categoria na Praça da Avenida Tancredo Neve. Participaram cerca de 10 mil trabalhadores/as de todas as regiões do estado e decidiram pela manutenção da greve. A próxima assembleia está marcada para o dia 29 de abril, em Belo Horizonte, seguida de manifestação. O local ainda será definido.
Outras atividades em prol do Piso Nacional foram discutidas, a exemplo do Dia D, no próximo dia 27. A data será marcada também por atividades em várias cidades pólos, distribuídas por todo o estado, coordenadas pelo Sind-UTE/MG.
Logo após a assembleia, houve ato público para celebrar o Dia da Inconfidência Mineira, no mesmo local. A coordenadora geral do Sind-UTE/MG afirmou que a data representa um marco para aqueles que querem justiça e liberdade. “O dia 21 de abril foi marcado por manifestações em São João del-Rei para denunciar que em Minas não se respira liberdade. Além da nossa luta pelo Piso, nossa maior bandeira, realizamos uma cerimônia simbólica para citar os vilões da escola e de toda a sociedade: o alto custo do vale-transporte e da cesta básica, entre outros. Por outro lado, entregamos a Medalha do Grito da Liberdade a pessoas ligadas à educação, que lutam no dia-a-dia pela qualidade do ensino público e pela valorização profissional.” Ela foi enfática ao afirmar: “sabemos que Minas Gerais é rico e por isso temos a convicção que falta vontade política para implementar o Piso Salarial Profissional Nacional no estado”, concluiu Beatriz Cerqueira.


No próximo dia 27, o sindicato do magistério promove o Dia D em diversos municípios para ampliar a adesão que, segundo os líderes do movimento, alcançou 70% dos professores do estado".

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Prefeitura de BH proíbe índio de vender seus artesanatos na feira livre


A prefeitura de Belo Horizonte, que Pimentel entregou de bandeja para Aécio Neves, proibiu os índios Pataxós de vender, na Feira de Artesanato da Avenida Afonso Pena, produtos feitos por eles. Os fiscais da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) alegaram que os índios não tinham licença para vender no local, como determina a legislação municipal. Após conversa com os fiscais, os índios decidiram continuar na feira.
Para impedir que vendessem seus artesanatos, agentes de fiscalização isolaram a área em frente à Copiadora Brasiliana, onde eles ficaram confinados, o que causou indignação de quem passava pelo local. “Muita coisa que precisa ser fiscalizada, aqui, não é”, alegou a feirante Maria das Dores Fernandes, 50 anos, se referindo às barracas que vendem produtos vindos da China e do Paraguai.
Segundo o Serviço de Fiscalização da PBH, os índios chegaram à Afonso Pena por volta das 7h30 e colocaram os produtos à venda. Um dos fiscais conversou com eles e explicou que a venda só poderia ser realizada no local com licença da Prefeitura. “Entre eles, alguns já conseguiram a licença em outras ocasiões e sabem como se deve fazer, normalmente”, justificou Cristiano Nicomedes, gerente de fiscalização de atividades especiais da PBH.
Os Pataxós, que vieram de Carmésia, no Vale do Rio Doce, estão em Belo Horizonte desde sábado para uma audiência, marcada para esta segunda-feira (19), na Assembleia Legislativa (ALMG) em comemoração ao Dia do Índio. Oito etnias - Pataxó Hãhãhã, Maxacali, Xakreabá, Aranã, Mucurim, Kaxixó, Xucuru e Pankararu - vão participar da reunião.
Eles alegaram que a licença, normalmente, demora a ser concedida. “Eles sempre alegam a licença, como se fosse uma coisa simples de ir lá e resolver. Mas acontece de ficar meses aí, e eles enrolando. Quando as pessoas vão na aldeia e querem tirar um direito da gente, ninguém pede licença”, disse Mezaque Pataxó, coordenador do Conselho dos Povos Indígenas de Minas Gerais.
Durante toda a manhã, os índios continuaram na Feira de Artesanato, mas sem poderem vender os produtos. Quem passava pela feira e via a situação ficava indignado.
Um casal de vigilantes resolveu pintar o rosto para protestar. “Porque estão impedindo o pessoal de ver? Eles não estão fazendo nada de errado”, questionou Raquel Lopes, 35 anos, vigilante.
Os índios chegaram a dizer à fiscalização que a Polícia Federal seria a única que poderia agir contra eles. Mas, segundo Cristiano Nicomedes, eles também estariam sujeitos ao Código de Posturas Municipais, baseado no artigo 30 da Constituição Federal.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Minas: Estado onde as leis são suspeitas

Instrumento democrático regulador das normas de relacionamento, direitos e deveres é utilizado em Minas com leviandade e desonestidade
Embora participante da Federação, Minas Gerais vem nos últimos anos editando leis, resoluções e normas, ao arrepio do disposto na Constituição e Lei Federal.
Além de criar a indústria do litígio, esta prática tem provocado um enorme passivo financeiro e jurídico.
Exemplos não faltam. Só na última semana, Novojornal noticiou o questionamento junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) de uma Lei e a declaração de inconstitucionalidade de uma lei complementar.
Esta é até agora a parte visível do que foi feito no Estado de Minas Gerais nos últimos anos.
A exemplo do período do golpe de 64 existe hoje em Minas um enorme entulho autoritarismo, como a lei de autoria do deputado Délio Malheiros (PV), que viola direitos civis.
Além do convênio celebrado entre a Polícia Militar e o Ministério Público Estadual que possibilitou a instalação e funcionamento da maior central de escuta telefônica, internet e outros meios de comunicação instalada no País.
Na procura de um déficit zero, editaram-se leis, resoluções e outros que desoneraram o Estado momentaneamente a exemplo do ocorrido com o IPSEMG, porém ao ser corrigido no Supremo cria uma situação catastrófica.
Comprovado está que o déficit zero não passou de uma estratégia jurídica capaz de criar uma situação artificial para ser explorada publicitariamente.
Novo Jornal

Patrus rejeita interferência do PT nacional em Minas

Ex-ministro diz estar em sintonia com adversário nas prévias e que o partido estadual tem autonomia para decidir

Eduardo Kattah - Hoje em Dia
O ex-ministro Patrus Ananias rejeitou nesta quinta-feira (15) interferências da direção nacional do PT e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na escolha do candidato da base aliada ao governo de Minas Gerais.
Patrus e o ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, se inscreveram para a disputa de prévias - marcada para o dia 2 de maio - que irão definir o pré-candidato do PT. A indefinição tem irritado o ex-ministro das Comunicações e pré-candidato do PMDB, Hélio Costa, que ameaça romper com os petistas caso um acordo não seja costurado até o dia 9 do próximo mês.
Líder nas pesquisas de intenção de voto, Costa utiliza a aliança em torno da candidatura de Dilma Rousseff à Presidência como principal argumento para consolidar seu nome na disputa estadual. Lula, que cobra um palanque único para Dilma em Minas, já teria manifestado preferência pelo peemedebista para não ameaçar o acordo nacional.
Em tom de ameaça, o ex-ministro das Comunicações lembrou que o diretório mineiro possui 69 delegados nacionais e deverá ser decisivo na convenção do partido que em junho irá deliberar sobre a aliança com o PT.
Mas Patrus, que garante estar em sintonia com Pimentel, disse que o PT-MG tem autonomia para decidir e a "prévia é para valer". Questionado sobre qual seria o papel do presidente no atual processo, foi categórico: "Quem dá a palavra final no PT é o PT. São as instâncias partidárias. Claro que o presidente Lula é um filiado e um militante muito especial, pela extraordinária liderança que ele exerce, o governo histórico que ele está realizando", destacou.
O ex-ministro do Desenvolvimento Social também afirmou que a disposição do PT mineiro em ter candidato próprio não é uma "encenação".
"É claro que o que nos une a todos no Brasil é o projeto nacional. Não tem nenhuma dúvida quanto a isso. Agora, eu digo sempre também que o projeto nacional não se dá no vazio. O projeto nacional se dá e se constrói a partir de realidades concretas, locais, regionais, estaduais. E nós sabemos que o projeto nacional passa por Minas Gerais", disse.

Aliança em risco

Patrus, que concedeu entrevista na Assembleia Legislativa, reconheceu que ele e Pimentel deveriam ter comunicado antes o ex-ministro das Comunicações sobre a decisão de o partido realizar prévias.
Nas imediações do parlamento mineiro, Costa almoçou com deputados do PDT e disse que a definição na base aliada não pode passar do dia 9. Segundo ele, a data foi estabelecida em um encontro na quarta-feira entre o deputado Michel Temer e o presidente do PT, José Eduardo Dutra. "No dia 9, não houve acordo, tudo bem. Cada um para o seu lado e vamos à guerra".
O ex-ministro também provocou, afirmando que talvez os petistas "tenham se esquecido que Minas Gerais tem 69 votos no colégio eleitoral da convenção nacional do PMDB". "A situação chegou ao ponto de colocar em perigo até mesmo o apoio nacional do PMDB", ameaçou. "Vamos chegar à convenção com essa responsabilidade. Para onde for a bancada mineira é que vai o apoio do PMDB".

STF proíbe governo mineiro de cobrar por atendimento médico

O Supremo Tribunal Federal liberou os 400.000 funcionários públicos de Minas Gerais da obrigatoriedade de repassar 3,2% do salário para custear os serviços médicos prestados pelo Instituto de Previdência dos Servidores (Ipsemg). De acordo com os ministros, a cobrança compulsória do plano de saúde é inconstitucional.
“Foi uma conclusão correta. Além de a cobrança ser inconstitucional, o governo cobrava por um serviço em extinção. Os servidores contribuem, mas não conseguem atendimento médico nos hospitais do Ipsemg”, disse o diretor do Sind-UTE, Renato Barros.
Médicos da Previdência acreditam que a decisão do STF vai estimular o governo mineiro a privatizar o plano de saúde dos servidores.
“A proibição da contribuição compulsória alimenta a tese de que o governo de Minas, prevendo a decisão do Supremo, acelerou o desmonte do Ipsemg para justificar sua privatização”, declarou o cirurgião Rodrigo Quintela.
Em 2010, o Governo Aécio Neves (PSDB), que já havia desativado 260 leitos do hospital do Ipsemg em Belo Horizonte, interditou outros 140 e cancelou todas as cirurgias eletivas agendadas a partir de janeiro. O número de funcionários terceirizados e de clínicas particulares credenciadas aumentou nos últimos anos

quinta-feira, 15 de abril de 2010

PSDB denuncia Instituto Sensus


Finalmente o Instituto Sensus, sabidamente parceiro do presidente da CNT, Clésio Andrade, vai ser investigado pela Polícia Federal por práticas criminosas na execução de pesquisas de intenção de votos.
O PSDB entrou nesta quarta-feira (14) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com uma representação contra o Instituto Sensus que divulgou nessa terça-feira (13) pesquisa de intenção de votos para presidente da República.
O partido alega que o Instituto descumpriu o prazo estipulado por lei para divulgação do resultado da pesquisa.
Se levada a fundo, essa investigação trará à tona um esquema montado por Clésio e que funcionou por quase uma década.
A legislação determina que o resultado seja divulgado 5 dias depois da inscrição da pesquisa no TSE. O Sensus inscreveu o levantamento no dia 5, mas alterou dados no dia 9. Portanto, na avaliação do PSDB, a pesquisa só poderia ser divulgada nesta quarta-feira (14).
Fontes do TSE já admitem que há muito tempo o Tribunal vinha observando o comportamento do Instituto de Pesquisas tradicionalmente financiado pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes), presidida por Clésio Andrade.
Segundo empresas do setor de pesquisa, o Instituto Sensus praticamente só tem como cliente a CNT, concluindo: Era previsível que mais cedo ou mais tarde o esquema ia estourar.
Clésio, ex-sócio de Marcos Valério, pai do Mensalão, e vice do senador Azeredo, autor do enorme esquema de corrupção denominado “Valerioduto tucano”, vem conseguindo livrar-se dos diversos processos que responde.
Provas de seu envolvimento em diversos esquemas criminosos é o que não falta.

Leia as matérias:



Fonte: Novo Jornal

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Coadjuvante atropela o Partido dos Trabalhadores

*Diran Filho

O Partido do Movimento Democrático Brasileiro – PMDB – que normalmente tem se postado como coadjuvante no cenário político nacional emprestando seu tempo de televisão a quem melhor lhe convier, ou seja, quem lhe render mais espaço, revolveu, neste ano eleitoral, sucumbir o PT Mineiro impondo-lhe a candidatura do senador Hélio Costa, e, deixando o cargo de coadjuvante ao partido do Presidente da República, tudo isso, é claro, através da contrapartida do tempo de televisão a candidata ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, que já canta aos quatro cantos que Michel Temer será seu vice, o que, mais uma vez, carimba na maior legenda do Brasil, a figura de coadjuvante.

Sucumbir o PT Mineiro, e, principalmente, menosprezar a capacidade eleitoral do ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, ou pior, apagar o brilho do ex-ministro e também ex-prefeito de Belo Horizonte, Patrus Ananias, maior símbolo da verdadeira militância petista, aquele que incorporou o real sentido de esquerda, e não se curvou aos sabores do poder, é, no mínimo, ignorar e desrespeitar toda a militância vermelha e branca, que tanto busca recuperar os princípios norteadores da fundação do Partido dos Trabalhadores, princípios esses, hoje esquecidos por alguns de seus representantes que se deleitam no poder, sempre em busca de mais boquinha. Com Patrus os petistas poderiam defender a honestidade, a integridade. Sua militância, certamente, sairia as ruas orgulhosa de seu candidato, os movimentos sindicais se sentiriam realmente representados, provocando uma mobilização típica daquele Partido dos Trabalhadores, que arrebatava multidões no início da década de 80.

É, realmente, Minas Gerais é pequena na visão de Lula e Dilma, uma vez que, mesmo com as reais chances de vitória do PT, seus candidatos terão que se curvarem as vontades de outro partido. Já em São Paulo, ainda que com um candidato, literalmente, sem chance de vitória, o diretório petista de lá vai sim ter candidato próprio, digno de um grande partido. Mas os mineiros terão que aguardar pelo menos mais 08 anos para poderem ter, ao menos, a possibilidade de votar em um candidato do Partido dos Trabalhadores.

*Professor

segunda-feira, 12 de abril de 2010

"Patrus será o próximo governador de Minas, para fazer uma Minas mais democrática e solidária"

O deputado estadual Padre João (PT/MG) esteve em Montes Claros no último final de semana, participando do Curso de Formação Permanente do seu mandato parlamentar. Falou sobre os movimentos sociais no Brasil e a atuação da Igreja católica de 64 a 80, além de abordar sobre os temas: Políticas Públicas; Mecanismos de Controle Social e Programas de Governo. Ele fez ainda, uma avaliação do Mandato e a proposta de atuação para os próximos meses. O curso de formação permanente do mandato do deputado Padre João tem como objetivo a capacitação e formação histórica-política de lideranças cristãs, comunitárias e daqueles que militam na vida partidária.
Deputado Federal
Padre João anunciou que deixará de disputar sua reeleição na Assembléia Legislativa para disputar uma cadeira na Câmara Federal, atendendo apelo da militância petista, principalmente do seu grupo político, representado pelo mandato coletivo e participativo.

Zona Rural
Para Padre João, o mundo rural é muito sofrido e excluído. “mesmo com os avanços do governo Lula para este setor, principalmente através do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, mais de um milhão e meio de pessoas não tem energia elétrica, sendo que 100 mil são jovens. E como vamos convencê-los em permanecer na roça?” Indagou Padre João. Para o parlamentar petista, “o movimento sindical é importante para garantir cidadania, mas enfrenta um grande entrave que é o medo, e é por isso que ainda temos muitos municípios que não tem sequer, nenhuma associação organizada”

Dois projetos
Padre João lembrou que o Brasil tem 29 partidos políticos, mas com apenas dois projetos políticos para a próxima eleição presidencial, representados pala ministra Dilma Roussef e pelo governador José Serra. Dilma tem o apoio do presidente Lula e dos partidos aliados, enquanto José Serra tem o apoio de FHC e dos partidos PSDB, DEM e PPS. Ou seja, de um lado, a continuidade de um projeto político que vem dando certo com os partidos da base aliada do governo Lula, onde Brasil passou a ser respeitado no mundo graças ao projeto de desenvolvimento com geração de empregos e distribuição de renda, preservando os interesses nacionais e deixando de ser subserviente aos interesses estrangeiros. Do outro, o projeto que todos nós conhecemos, representado pelo PSDB, DEM e PPS que implantou no País um vasto programa de privatizações, nos Bancos estaduais, ferrovias, siderúrgicas, telecomunicações, energias, entre outras. E só não foram privatizados o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, a Petrobrás e Previdência Social graças as eleições do presidente Lula.

Patrus Governador
Sobre a candidatura do ministro Patrus Ananias, Padre João disse que Patrus é o único candidato que consegue ampliar mais apoio, porque ele não tem problemas com o PT, PMDB, PC do B etc, enquanto que Pimentel virou as costas para estes partidos quando optou apoiar Aécio Neves na prefeitura de Belo Horizonte. Lembrou ainda, que o governo Lula deve muito a Patrus, e por isso, que Patrus será o próximo governador de Minas, para fazer uma Minas mais democrática e solidária.

sábado, 10 de abril de 2010

Écinho (Neves?) O expert!

Lambido do Blog Língua de Trapo que lambeu do Blog do Oni Presente .

O atual Aécio "Neves" da Cunha nasceu Aécio Cunha Filho.

Filho do Aécio Cunha ex presidente do PDS(ARENA)mineiro.“Aecinho” apropriou-se do sobrenome Neves.(?!) Apesar de não ter trabalhado na campanha do avô para o governo de MG , em 82, usufruia-se(aos 22 anos)dos privilégios no governo Tancredo. Governo este, que readmitiu torturadores destituídos pelo governador Aureliano Chaves(Del.Prata Neto e Insp.Cachimbinho).”Écinho”, era pago como “secretário” do vovô. Circulava pelas baladas de BH e do RJ ,já na época, estimulado pelos “energéticos” que o inebriavam.O avô, reverenciado pela mídia como um mártir,usufruiu-se muito do estado. Abrigou a família inteira.Sua mulher Risoleta era remunerada em diversos cargos estatais.Até como analista de sistemas na PRODEMGE.Era presidida, então, pelo atual senador tucano(criador do valerioduto)Eduardo Azeredo.Filho do secretário, de Tancredo, Renato Azeredo. Continua...

O governo de MG era um convescote para a pretensiosa, subserviente e aleivosa burguesia mineira. O estado remunerava mulher, filhos, genros, netos, sobrinhos etc. A esperteza que fez “Écinho” mudar de nome o faz aproveitar-se de cada pedaço do cadáver do avô. Oculta o empenho de seu pai, servo e beneficiário da ditadura, na ARENA. Este dissimulado que muda de nome ao sabor dos interesses, que traiu o Alkmin, que traiu o PSDB na prefeitura de BH, que construiu uma “cidade administrativa” de dois prédios, que num jogo da seleção contra a Argentina isolou parte do estádio para montar um enorme camarote custeando com dinheiro público recepção a centenas de convivas dá uma banana ao seu aliado Serra. Eles se merecem, É muita podridão.
Nilton Ferreira
Belo Horizonte – MG

Publicado na seção de cartas do VERMELHO
Postado por Oni Presente às 11:13:00

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Pimentel: O que realmente você quer?

Segundo grupo do PT nacional, Pimentel quer apenas dividir o partido, retribuindo ao PSDB o apoio dado a Márcio Lacerda

Dividir para governar. Esta é a prática utilizada por políticos que, não tendo a maioria, procuram fracionar a aglutinação de seus opositores.
Evidente que esta maioria nada tem a ver com popularidade. Hitler foi popular, praticamente tinha a unanimidade do povo Alemão, deu no que deu.
Infelizmente, em Minas Gerais as entidades representativas da sociedade civil encontram-se comandadas por pessoas que colocam à frente seus interesses pessoais. Vejam apenas como exemplo o caso do possível desmoronamento dos prédios no Bairro Anchieta. A queda e afundamento de diversos viadutos, rodovias e grandes obras ocorridas nos últimos anos.
Colocando em risco vidas humanas. Enquanto isso, o Creia - MG permanece calado como se nada tivesse a ver com tudo isso. Segundo alguns, uma entidade que deveria ser de uma classe está entregue a “empresários” engenheiros.
A OAB-MG, antes precursora dos grandes movimentos em defesa da sociedade, encontra-se praticamente calada. Diante da permanente quebra dos direitos e garantias civis em Minas Gerais.
Infelizmente nem mesmo os partidos políticos, sem exceção, escaparam dessa lamentável realidade.
Dessa forma, a sociedade civil encontra-se sem voz, entregue à própria sorte. A imprensa, desnecessário dizer qual tem sido o papel da mesma.
Evidente que a democracia no Brasil é insipiente, porém o que estamos constatando não tem qualquer relação com questões de conhecimento e puramente de ordem ética.
Na última sucessão para prefeitura de Belo Horizonte, capital mineira, dois partidos que se apresentam perante a sociedade como opostos, PT e PSDB, tiveram o mesmo candidato através de uma aliança gestada por anos sem vir a público e ao conhecimento da militância partidária.
Imaginava-se que a propalada prática divisionista de Pimentel, para facilitar a vida do candidato do PSDB denunciada no diretório nacional fosse apenas uma ilação de adversários dentro do PT.
Porém, depois que a candidata Dilma Rousseff, admitiu publicamente a prática eleitoral denominada “Dilmasia”, sugerindo que melhor seria “Anastadilma”. Que significa a votação em Dilma e Anastasia, as coisas ficaram mais claras.
Sabidamente o mineiro mais próximo da candidata Dilma Rousseff é Pimentel. Os dois, além de terem uma amizade de décadas, foram companheiros de infortúnio no período militar.